Biografia :

Biografia :

Paul Gauguin nasceu em Paris, em 7 de junho de 1848. Quando tinha um ano de idade, seu pai, um jornalista político, embarcou com a família para o Peru, mas morreu na viagem. Entretanto, graças a pessoas ricas conhecidas de sua mãe em Lima, Gauguin passou os sete primeiros anos de sua vida naquele país, antes de voltar à França em 1855. Aos 17, Paul Gauguin entrou para a Marinha Mercante. Em seus cinco anos no mar, elevou-se ao posto de segundo-tenente e visitou o Panamá e o Pacífico, os lugares tropicais que sempre acompanharam seus pensamentos.

Em 1871, Gauguin retornou a Paris, onde um influente amigo da família conseguiu-lhe um trabalho como corretor de valores. Passou a década subsequente como um respeitável homem de negócios, casando-se com uma moça dinamarquesa, Mette Sophie Gad, com quem teve cinco filhos.

No início da década de 1870, Gauguin tornou-se um entusiasmado pintor de domingo e, em finais de 1876, já dominava suficientemente a pintura para que uma paisagem sua fosse aceita para exposição no Salão Anual Oficial. Entretanto, logo ele preferiu expor suas obras junto aos impressionistas, que eram ainda tidos como rebeldes inveterados. Trabalhando arduamente durante suas horas de folga, Gauguin adotou a técnica impressionista de pintar paisagens no próprio local, utilizando pinceladas curtas de pura cor para capturar os efeitos atmosféricos. Como seus grandes contemporâneos Cézanne e Van Gogh, considerava o Impressionismo um agente liberador, embora tenha acabado por dar origem a um estilo muito diferente.

Gauguin, sem dúvida, querida abandonar o mundo dos negócios e tornar-se um pintor profissional. O que fica menos claro é se ele o teria feito se não fosse o colapso econômico de 1882; no mínimo, sua má sorte financeira concedeu-lhe a desculpa de que precisava para começar uma nova carreira, na idade de 35 anos, como um artista em tempo integral.

Foram então anos de dificuldades. Mette foi morar com sua família em Copenhague, onde Gauguin também permaneceu por um tempo. Depois que ele partiu, os dois nunca mais voltaram a viver juntos. Em 1887, Gauguin fez sua primeira turnê artística nos trópicos, passando alguns meses no Panamá e na Martinica.

Forçado de volta à França pela malária e por pobreza, ele levou consigo telas vivas com cores novas e libertas de qualquer movimento artístico antecedente.

Contudo, o progresso artístico de gauguin foi ainda mais marcante durante suas visitas à Bretanha nos derradeiros anos da década de 1880, mostrando-se, nessa época, ainda remota e estimulantemente primitivo. Lá, ele começou a desenvolver seus estilo peculiar, com suas formas nitidamente delineadas e cores fortes. Seu estilo já estava definido em 1888, quando foi passear dois meses desastrosos em Arles em companhia de Vincent Van Gogh.

Em 1891, Gauguin já tinha se estabelecido como um líder entre os artistas e os poetas de Paris. Porém, ainda extremamente pobre, ele tomou a surpreendente decisão de se fixar no longínquo Taiti. O mais celebrado de todos os seus quadros foi pintado nessa ilha, e as imagens de uma simplicidade incorrompidamente primitiva tiveram um grande impacto sobre a imaginação ocidental. Embora Gauguin amasse as terras tropicais, a vida continuava dura, e em 1893 ele retornou a Paris, na esperança de que suas telas taitianas viessem a ser uma sensação e, por fim, trouxessem-lhe fama e segurança.

Após dois anos de decepções, Gauguin voltou para o Taiti, Já estava então doente, e seu mal foi agravado por uma condição sifilítica não-diagnosticada. Hospitalizado com muita frequência, engajava-se em trabalhos braçais e às vezes na política e no jornalismo locais. Sua produção artística era irregular; ainda assim, neste período produziu alguns de seus melhores quadros.

Em 1901, Gauguin retirou-se definitivamente da civilização que o intimidava, estabelecendo-se nas Ilhas Marquesas. Seu prazer nesse novo paraíso foi rapidamente estragado por sérios conflitos com as autoridades locais. Ele ainda estava recorrendo contra uma sentença de três meses por crime de difamação quando sua vida turbulenta foi difinitivamente cortada por um ataque cardíaco, em 8 de maio de 1903.

Informações retiradas do site:
WWW.THEART.COM.BR

Obras e curiosidades

 

Vincent van Gogh pinta girassóis, 1888, Amsterdã

 

Existia uma certa amizade entre Gauguin e Vincent van Gogh. Apesar de não concordarem em muitos pontos de vista estavam sempre conversando sobre obras e tendências do mundo artístico. Este quadro afirma o laço de amizade existente entre ambos.

 

Café em Arles, 1888

 

Esta pintura foi uma entre muitas que foram temas comuns para Gauguin e Van Gogh. Não era raro eles escolherem um tema comum e realizarem estudos diferenciados. Sobre este quadro Gauguin ainda chegou a comentar que não gostou muito, pois dizia que o Café em Arles possuí cores escuras e uma decoração que não o agradava.

Jacó e o Anjo, 1888, Edimburgo

A obra retrata uma narrativa da Bíblia, quando Jacó volta para casa depois de muitos anos de solidão devido aos conflitos vividos com o Irmão Esaú. Segundo a Bíblia no caminho de volta Jacó luta com um Anjo durante uma noite inteira (parte superior). Luta essa que materializa a imagem do pensamento das mulheres que participam do sermão(parte inferior)
Mulheres de Taiti na Praia, 1891, Paris

Durante esta época o artista pintava muitos elementos da natureza. Mesmo não muito aparente, colocou uma flor no cabelo de uma das mulheres, como quem queria demonstar que estava fazendo algo diferente, porém não havia abandonado seu estilo.
O Filho de Deus nascido, 1896, Munique

Aqui é possível perceber facilmente a mistura de sua cultura ocidental com o estilo de vida primitivo dos taitianos. Utilizou nativos para retrar um fato cristão, bem como a cor amarela para enfatizar a santidade de Maria, deitada na cama.
De onde viemos? Quem somos? Para onde vamos?, 1897 Mus. de Belas-Artes - Boston

Uma tela de 4 metros, pintada em apenas um mês. Da direita para esquerda é possível notar uma evolução da vida humana. Começando com uma criança no canto, um adulto ao meio em contato com o conhecimento e no outro extremo uma velha anciã.
Vairumati, 1896 Museu de Orsay, Paris

Este quadro é composto basicamente de duas coisas que o artista gosta muito de incluir em suas obras: Mulheres e figuras misteriosas, como é o caso da ave típica do Taiti atacando um lagarto

 

 

 

Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!